INFÂNCIA IDADE SAGRADA

Autor: Administrador,  22/06/2015


El entrenamiento musical ayuda a los niños a centrar su atención, controlar sus emociones y disminuir su ansiedad

Autor: Administrador,  16/01/2015

Fuente: Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry

Referencia: Volumen 53, número 11, página(s) 1153–1161

Fecha: Noviembre 2014

Según un estudio de la Escuela Médica de la Universidad de Vermont (EEUU), el entrenamiento musical ayuda a los niños a centrar su atención, controlar sus emociones y a disminuir su ansiedad. Los científicos concluyen que la práctica musical puede ayudar psicológicamente más a algunos niños que un tratamiento médico y que, por tanto, debería generalizarse desde la infancia. Los autores de la investigación, los psiquiatras James Hudziak y Eileen Crehan, afirman que ésta es “la más extensa sobre la relación entre la actividad de tocar un instrumento musical y el desarrollo cerebral”. En ella se analizaron los escáneres cerebrales de un total de 232 niños de edades comprendidas entre los seis y los 18 años.

A medida que los niños se hacen mayores, el espesor de su corteza cerebral sufre algunos cambios. En análisis previos sobre este aspecto, Hudziak y su equipo habían descubierto que el engrosamiento o el adelgazamiento de la corteza en áreas específicas del cerebro podían indicar la aparición de ansiedad y depresión en los pequeños; de problemas de atención, de agresividad o de control de la conducta; incluso en niños sanos (sin diagnóstico de trastorno o de enfermedad mental).

Con el presente estudio, Hudziak quería ver si, por el contrario, una actividad positiva, como la formación musical, podía influir en dichos indicadores corticales. Sus resultados revelaron que tocar un instrumento altera las áreas motoras del cerebro, porque esta actividad requiere del control y de la coordinación de movimientos. Además se constató que la práctica musical influía en el grosor de una parte de la corteza relacionada con la función ejecutiva (que incluye la memoria de trabajo, el control de la atención y la capacidad de planficación); y también en el de áreas del cerebro que juegan un papel crucial en la capacidad de autocontrol y el procesamiento de emociones.

Prevalencia de maltrato infantil y trastornos psiquiátricos en una población femenina privada de su libertad

Autor: Administrador,  16/01/2015

Autor/es: Miguel Vallejos; Matías S. Bertone; Jessica

Fuente: Revista Neuropsicología , Neuropsiquiatría y

Referencia: Volumen 14, número 3,

Resumen

Objetivo: Numerosos estudios previos han demostrado altos índices de trastornos psiquiátricos y elevadas tasas de experiencias traumáticas en la infancia en las personas que se hallan detenidas y privadas de su libertad en instituciones carcelarias. En este estudio se decidió investigar la prevalencia de los diferentes tipos de experiencias adversas infantiles y la prevalencia de trastornos psiquiátricos de pacientes internas alojadas en una institución Psiquiátrica-Penitenciaria.

Materiales y método: Se realizó un estudio epidemiológico, entre mayo del 2012 y Noviembre del año 2013, en el cual se evaluaron a 25 internas-pacientes que pertenecían al Dispositivo de Tratamiento de Mujeres del Programa Interministerial de Salud mental Argentino (PRISMA) ubicado en el predio del Complejo Penitenciario Federal IV, Ezeiza, República Argentina. Se utilizaron las escalas: SCID I y II, y la ACE (Adverse Childhood Experience).

Resultados: la información obtenida de la investigación permitió ubicar que el 92 % de las participantes había padecido alguna experiencia adversa en su infancia. Se halló una elevada tasa de abusos en sus distintas formas: sexual (56 %), físico (76 %), emocional (80 %) y de negligencia emocional y física (56 %). A su vez se observó que todas las pacientes presentaban algún trastorno mental y más de la mitad cumplía criterios diagnósticos para dos o más trastornos psiquiátricos. Se encontró que el más frecuente es el trastorno de personalidad (60 %), seguido de trastornos por consumo de sustancias, trastornos de ansiedad y trastornos del estado de ánimo.

Conclusiones: al igual que en otros estudios en instituciones penitenciarias, hallamos altas tasas de prevalencia de experiencias adversas infantiles y de trastornos psiquiátricos.

Los niños que son castigados por orinarse en la cama son más propensos a padecer depresión

Autor: Administrador,  16/01/2015

MADRID, 26 Dic. (Reuters/EP)

Los niños que son castigados por orinarse en la cama, conocido por enuresis, son más propensos a padecer depresión, según ha mostrado una investigación realizada por el equipo del doctor de la facultad de Medicina de la Universidad Rey Abdulaziz en Jeddah (Arabia Saudita), Nabeel Faten Al-Zaben.

Y es que, según los autores, este trastorno afecta a alrededor del 15 por ciento de los niños pequeños y es tres veces más común en niños que en niñas. Además, hasta un tercio de los padres castigan a sus hijos por la enuresis nocturna.

Por este motivo, y con el fin de comprobar cómo les afectaba este problema a los menores, los científicos analizaron a 65 niños de entre 7 y 13 años de edad que se orinaban inconscientemente en la cama, y a otros 40 años que no padecían este problema. A continuación, dividieron a los que tenían este problema en dos grupos: los que eran castigados y los que no recibían ningún tipo de reprimenda por parte de sus padres.

De esta forma, comprobaron que los niños que fueron castigados por hacerse pis en la cama, lo hacían con más frecuencia que aquellos que no recibieron un castigo y, además, tenían síntomas de depresión más graves. Ahora bien, este efecto fue peor cuando los padres les regañaban físicamente ya que los menores mostraron también una peor calidad de vida.

“La incontinencia urinaria afecta tanto al niño como a la familia en varios niveles. A menudo es una fuente de vergüenza y bochorno para el niño afectado y los menores que han experimentado el fracaso del tratamiento tienen una autoestima baja”, han zanjado los autores.

Educadores somos nós: pais e professores

Autor: Administrador,  21/11/2014

Sem título-3

Sem título-3

Cartilha do Educador

Autor: Administrador,  06/08/2013

Transtono de Ansiedade de Separação

Autor: Administrador,  06/08/2013

CRIANÇAS E ADOLESCCENTES DISRUPTIVOS

Autor: Maria Genelva Almeida Costa,  06/07/2013

O termo disruptivo já causa impacto, imagine conviver com crianças e adolescentes cujo comportamento é marcado  por atos antissociais, como agressão, desobediência, oposição e desconsideração por pessoas e coisas alheias.

Para a Associação Psiquiátrica Americana essas violações enquadram-se em quatro amplas categorias: agressão, destruição de propriedades, defraudação ou furto, e séries de violação de regras.  São comuns as intimidações, brigas, crueldade física com pessoas e animais, roubo, provocação de inocente, mentira, roubo, vandalismo, atividade sexual precoce entre outros comportamentos.

Segundo McClure e Friedberg, o transtorno desafiante opositor é caracterizado por um padrão persistente de desafio, desobediência e hostilidade para com pais, autoridades, professores etc. Sinais específicos de transtorno desafiante opositor incluem discussão e brigas crônicas, acessos de raiva, altos níveis de irritabilidade/contrariedade, caráter vingativo/rancoroso, desobediência, teimosia e hábito de culpar os outros pelos seus próprios atos.

Antes da puberdade, a prevalência é maior em meninos depois ficam equivalentes. Os meninos demonstram mais agressividade do que as meninas, nelas a culpa e o medo inibem.            É comum elas não encontrarem motivação para mudar, pois são arredias a tratamento. Portanto, envolvê-las  no tratamento é a tarefa principal. Estabelecer um bom relacionamento com essas crianças é fundamental. A confiança e o respeito são essenciais, como também o estabelecimento de limites, esses devem ser objetivamente consistentes. Outro aspecto importante para o terapeuta é a flexibilidade, quando necesária na imposição dos limites, sem isso poderá ocorrer lutas de poder indesejadas.

Em relação aos pais, quando fica hostil e crítico, a relação complica-se. Os pais não devem perder o comando da autoridade . Uma das técnicas para os pais  mandarem os filhos fazem algo que gostem é a recompensa pela obediência.  Essa técnica melhora o clima familiar e os pais praticam o comando da obediência.  Outra técnica recomendada é elogiar por obediência espontânea. Os pais também devem diferenciar questões negociáveis e inegociáveis.

Outra coisa legal é ajudar as crianças a monitorar seus próprios pensamentos, sentimentos e comportamentos, podendo fazer um diário sempre que se sentirem irritadas e agir agressivamente.  É importante  enfatizar que é normal sentir raiva, mais não é permitido agir agressivamente.  Ensiná-la a resolver problemas é outra tarefa importante que requer flexibilidade. Essas crianças tem dificuldade de empatia pelo outro. Autores recomendam  usar filhotes de animais para desenvolver empatia , exceto se ela for cruel com animais.

É importante levar a criança a refletir se o que ela fez foi de propósito ou sem querer. Usar metáforas facilitam o uso de técnica de autoinstrução. Elas não param para pensar, o uso de jogos que levem a refletir é recomendado, além de fazer perguntas como “O que você acha de parar e pensar sobre isso?”. Trabalhar com essas crianças é frequentemente um processo longo, é importante fazer uso de múltiplas estratégias de tratamento.

 
Bibliografia – FRIEDBERG, Robert D e McCLURE, Jessica M. A prática clínica de terapia cognitiva com crianças e adolescentes, Porto Alegre, Artmed, 2008.

DEFICIÊNCIA POSTURAL E DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM

Autor: Maria Genelva Almeida Costa,  20/05/2013

Segundo Travassos e colaboradores (2012) existem dois tipos de dislexia: a do desenvolvimento e a adquirida. A primeira afeta muitas criança aparentemente normais, verificando-se que o potencial intelectual, a idade e maturação são desproporcionais ao desempenho escolar em uma ou mais habilidades receptivas ou expressivas  leitura, escrita ou matemática).

Os autores fazem referência que a dislexia apresenta múltiplas causas, por exemplo as hereditárias, de etiologia neurológica acometendo o lobos  temporais e parietais, corpo caloso, cerebelo, estando envolvido o sistema visual magno celular. Citam ainda outros autores que fazem referência à presença de distúrbios da propriocepção e alteração do esquema corporal.

O sistema proprioceptivo recebe informações dos sensores distribuídos no corpo (pele, planta dos pés, músculos e articulações, mucosas, língua, sistema visual, auditivo e equilíbrio). É responsável pela percepção e processamento das informações complexas, e devido aos diversos setores corporais que podem estar afetado o quadro clínico pode ser variado.

A escola portuguesa classificou sinais e sintomas musculares, vertiginosos e cognitivos caracterizando a Síndrome da Deficiência Postural como:

  • Acorda cansado com se não tivesse dormido.
  • Dificuldade de se concentrar; disperso nos estudos.
  • Parece não ouvir bem. Pergunta muito “ham? O quê?”
  • Troca letras, inverte letras, sílabas e números (em espelho)

Segundo o exposto, é importante uma avaliação multiprofissional para investigar o multiplicidade de sinais e sintomas que podem estar presentes.

 

Referências:

VENTURA, Liana, TRAVASSOS, Simone B., SILVA, Orlando Alves & DOLAN, Margarida.  Dislexia. Editora Cultura Médica, RJ, 2012

DISLEXIA E DISTURBIO DE APRENDIZAGEM

Autor: Maria Genelva Almeida Costa,  28/12/2012

Patrick Droste, oftalmologista dos EUA, considera dislexia como um problema de saúde pública. Para ele é um problema neurológico. O aluno dislexo pode ser brilhante, mas incapaz de ler ou reconhecer letras. Alerta que um dos fatores de risco é quando a criança apresenta dificuldade para desenhar. Para o diagnóstico, ele recomenda exame psicomotor, oftalmológico, dificuldade de atenção, quociente intelectual, linguagem e maturidade emocional. Nos Estados Unidos, uma lei federal,  torna obrigatória fazer avaliação específica.

Saliento que quanto mais fonema existe na língua, mais chance de ocorrer dislexia. Na língua inglesa existem 44 fonemas. Os chineses tem mais chance de ter dislexia. Os portadores desse transtorno possuem um mal funcionamento nos lobus occipital e temporal. Liliana Ventura complementa afirmando que nenhuma teoria por si responde a esse complexo transtorno que atinge 15%  das pessoas de todo mundo.

Porque o aluno tem dificuldade em aprender? Para Abram Topczewki, neuropediatra, aprendizagem diz respeito à capacidade de receber estímulos, armazenar e em algumas ocasiões resgatar as informações para fazer alguma tarefa. Isso requer várias situações como integridade do sistema nervoso central, podendo receber e responder aos estímulos, ter audição e visão funcionando. Precisa ter integridade do olfato, gustação etc. Todo aprendizado depende de uma motivação, estado emocional e atencional.

O insucesso de aprendizagem tem várias causas determinantes: deficiência sensorial, deficiência mental, doenças sistêmicas, epilepsia, TDAH, dislexia. Alguns medicamentos podem levar a dificuldade de aprendizagem. Existem medicamentos eficientes para doenças, mas leva a dificuldade de memorização.

O problema de dislexia é muito antigo. Desde 1817, Adolfo Kussmel já a denominava como cegueira visual. Em 1896, Pringle a denominou como cegueira verbal. Dislexia é uma questão antiga e uma polêmica atual cuja prevalência varia entre 7 a 10%

Existem alguns fatores determinantes como a hereditariedade:  se um dois pais possuir dislexia, a chance é de 40%, se ambos possuírem, 80%.

Comorbidade: TDAH (30%), TODA (70%), depressão, ansiedade, TOC, enurese, enxaqueca, consumo de substância tóxica.

Para dislexia não existe remédio, exceto quando existe comorbidade. Porém nunca devemos pecar por omissão. Para o psiquiatra Marcelino Bandim, pode ocorre comorbidade, e as principais são: TDAH, Transtorno Desafiante Opositor, Transtorno de Conduta, Transtorno Bipolar Transtorno de Ansiedade. TDAH e dislexia podem chegar a 40%. Esse dado é heterogênio devido à população e ao instrumento metodológico.

Margarida Dolan, pedagoga da Inglaterra, alerta que um dos grandes problemas diz respeito à propriocepção. É a propriocepção que nos permite saber sem olhar a localização do nosso corpo. Qual a distancia entre o corpo e aquilo que nos rodeia. Em 1932, Sherrington, foi o inventor do termo propriocepção, ou seja, conhecimento de mim. A propiocepção não tem haver com uma parte do corpo. É um sentido global porque nos permite saber as partes do corpo e os estados dos músculos. Propiocepção é o primeiro sentido, os demais dependem dele.

A oftalmologista Márcia Reis informa que o teste da visualização de letras é bom, porém não é suficiente. Cerca de 80% da informação do ambiente passa pela visão. Déficit do processamento visual terá impacto no modo como aprendemos. A imagem se forma no cérebro. O desempenho visual é multidimensional: occlomotricidade, visão de cores, resolução temporal, atenção visual, identificação simultânea de objetos em locais distintos.

Mas como medir visão funcional, sensibilidade ao contraste: profundidade, textura, campo visual. Teste psicofísico inclui processamento visual. Problemas de aprendizagem e visão não são captados pelo teste AV (6 metros) embora seja importante.

  • Fatores visuais da leitura: refração, controle do foco, coordenação, movimentos oculares (busca ou procura), processamento visual, integração sensorial.
  • Déficit central do processamento visuo-espacial: distorções da imagem, ilusão sensorial, vertigens, dificuldade ou incapacidade de formar imagens. Geralmente associado ao déficit no processamento auditivo.

DISLEXIA E SÍNDROME DE IRLEN

Síndrome de Irlen – alteração visuo-perceptiva de causa neurológica associada à alteração do processamento visual na via magnocelular. Existem graus: formas leves e mais graves.

Disfunção magnocelular visual – causa fotossensiblidade, dificuldade de leitura, restrição do campo visual periférico, cefaleia, dificuldade em manter atenção, dificulade de captação de contraste (competição entre letras e fundo).

É importante lembrar que 1/3 dos casos de dislexia tem síndrome de Irlem. Uso de transparência é de extrema importância.

Referência: Congresso Internacional de Dislexia. Recife. Nov/2012

FESTAS INTANTIS

Autor: Maria Genelva Almeida Costa,  26/12/2012

festa

Uma festa infantil deve agradar primeiro o aniversariante depois os pais. Cláudia Passos alerta que em cada fase de vida as expectativas mudam como por exemplo:

Primeiro ano- Deve ser num ambiente familiar, na própria casa, no salão de festa do prédio ou na casa da vovó. Limite a lista de convidados a familiares e amigos com filhos pequeno. Para os bebês, instale colchonete coloridos, longe de móveis perigosos. Use brinquedos que estimulem os sentidos. Música baixinha. Muito cuidados com os balões. Duas horas é mais que suficiente, mais do que isso pode irritar o aniversariante.

Dois anos- Invista num espaço mais amplo, a criança já se locomove com segurança, use  piscina de bolinhas por exemplo. A festa pode ter tema. “Dê preferência a personagens que a criança conheça. O evento pode durar até quatro horas. Importante pensar um espaço para um cochilo dos pequenos convidados ou do próprio aniversariante.

Três e quatro  anos- A criança já tem discernimento suficiente para participar das brincadeiras em grupo e se concentrar nas atividades propostas. Contadores de histórias, mágicos, recreadores podem ser contrastados para animar o evento.SE for incluir palhaço o ideal é que as crianças acompanhem a maquiagem do artista para não se assustarem quando aparecer. Nessa idade quanto mais espaço melhor.
Cinco anos em diante- Bufês infantis viram ótima opção, a criança não se atordoa com os muitos estímulos simultâneos, como os brinquedos, a musica e as máquinas de fliperama etc. Convide amigos adultos mas não se esqueça dos coleguinhas de escola do seu filho.

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM (II)

Autor: Maria Genelva Almeida Costa,  10/12/2012

Entendemos aqui aprendizagem como um processo complexo, que além de envolver o desejo, a relação com o outro, também envolve um organismo e um corpo. Emocionalmente falando dizemos que não aprendemos de qualquer um, mais daquele a quem ortogamos confiança e afeto.

Mas como adquirimos conhecimento do ambiente que nos rodeia? O estímulo ambiental é captado pelos órgãos dos sentidos. Dolan* afirma que a informação captada é usada no controle de movimentos, na regulação dos órgãos internos, e na manutenção do estado de vigília. Os captores levam a informação para o córtex sensorial. O córtex motor implementa ações e o hipocampo é responsável pela integração multissensorial e espacial dos eventos, e sua sequência temporal. O córtex somatossensorial recebe informações dos músculos e articulações que confirmam que ações individuais foram levadas a cabo.

Aprender exige a coordenação da intenção, planejamento e execução. Essas funções exigem a articulação com sintonia do corpo e do cérebro. Dolan* complementa: cada parte do cérebro interage constantemente com outras partes do cérebro. Os sentidos cooperam com estruturas profundas do cérebro para criar padrões neuronais que combinam a entrada de todos os sentidos. Isso é necessário para criar percepções multissensoriais e para aprender e conseguir lembrarmo-nos destas percepções.

Diante dessa complexidade, entendemos que se ocorrer uma disfunção proprioceptiva, o processamento sensorial da informação pode ser afetado. Existem quatro tipos de processamento: codificação, consolidação, armazenamento e recuperação. Existe dois processos importantes de codificação, primeiro receber a informação e depois fazer a integração do que é novo com o que já está bem estabelecido.

A consolidação envolve a estabilização da informação recente codificada para que possa ser armazenada a longo prazo. Depois o armazenamento, onde a informação é guarda ao longo do tempo.

Uma disfunção sensorial pode afetar o processamento sensorial e consequentemente afetar o processo de codificação, consolidação, armazenamento e recuperação da informação.

O desejo que foi referido anteriormente tem haver com prazer, essa sensação está associada com a produção de substância química no cérebro como dopamina e oxitocina. Essa ultima está relacionada com o processo de relaxamento e formações de novas memórias. Aprender com satisfação libera a dopamina e oxitocina que podem resultar em impressões fortes e na vontade de repetir essas situações. Por outro lado, tensões prolongadas e estresses crônicos  poderão trazer graves problemas de saúde. Crianças que vivem em estresses crônicos podem ficar hipervigilantes e interpretar eventos novos como perigosos, consequentemente evitam aprender.

Estresse, cansaço, desconforto têm impacto no rendimento escolar. Dolan* comenta que quando as crianças estão muito tempo lendo, escrevendo e copiando estão comprimindo áreas do corpo levando à diminuição do fluxo sanguíneo comprometendo a nutrição. A tendência é ficar irrequietas e mesmo hiperativas, muitas vezes são castigadas e/ou medicadas.

 

Sugestões

  • É importante lembrar que a evocação/recuperação das palavras é mais forte quando se mostram imagens dos objetos correspondentes à palavra, é bem melhor do que dizer somente a palavra.
  • ransformar a hora de estudar em momentos prazerosos.
  • Após períodos prolongados sentados, é conveniente dá uma paradinha, esticar os braços e pernas, relaxar os ombros e fazer rotação nos pulsos.
  • Apoiar as crianças a opinarem e explicar que errar faz parte do processo de aprendizagem.
  • A criança deve aprender a fazer análise de boa postura, e a importância da respiração abdominal.
  • Ensinar as crianças a partilharem seus conhecimentos.

 

* Trabalho apresentado durante o Congresso Brasileiro de Dislexia e distúrbios de aprendizagem – Recife/2012

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

Autor: Maria Genelva Almeida Costa,  09/12/2012

Aprendizagem é um processo complexo, que envolve vários fatores como: um corpo (esse construído na interação com o outro), um organismo, ou seja o aparato genético, a inteligência e o desejo. Os dois últimos estão transversalizados.

O corpo envolve vários aspectos e é necessário como, por exemplo, um equilibrio sensorial, postura corporal, integridade dos órgãos sensoriais e outros. E por falar em postura, vamos discutir esse tema.

Margarida D. Heitor descreve a Síndrome de Deficiência Postura, como “devido a múltiplos fatores, condicionado, sobretudo, pela vida sedentária, pela atividade física descontrolada, pelo trabalho monótono e repetitivo e pela mecanização de uma civilização industrial, multiplicam-se os defeitos posturais do homem moderno. A adoção sistemática de posturas incorretas acaba por perturbar a noção inata do esquema corporal e obriga uma tentativa de reformulação desse mesmo esquema. O afastamento inconsciente da biomecânica ideal provoca uma nítida alteração do equilíbrio tônico postural, conduzindo a uma percepção errada do esquema corporal”. Também ocorre alteração do sistema proprioceptivo. Nas alterações respiratórias, o diafragma e os músculos intercostais não exercem bem sua função, limitando os movimentos de inspiração e expiração.

Segundo Heitor, devemos ter alguns cuidados como:

  • Bolsa: utilizar a alça transversalmente no tronco, ao invés de ficar apoiada em um só ombro.
  • Mochila: Alongar a alça de modo que fique apoiada sobre as nádegas e usar sempre as duas alças sobre os ombros. As mochilas com rodinha aparentemente resolve o problema, porém a criança é obrigada a fazer com o tronco uma rotação assimétrica que poderá causar algum problema. As alças devem serem rígidas ajudando a transpor a carga para zona sacral e presa com uma cinta na parte abdominal.
  • O sentar: Ao sentar deve-se ter um apoio plantar par os pés, ficando totalmente apoiados.
  • Leitura e escrita: devem ser executadas sobre um plano inclinado de 30º.
  • Computador: o monitor deve ser inclinado 5 a 8º para trás.
  • Jogo videogames: Evitar jogar em sofá. É aconselhável sentar em um banco baixo apoiando braços e pernas para manter a coluna ereta.
  • Prática respiratória diariamente.

Referência: Congresso Brasileiro de Dislexia e distúrbios de aprendizagem. Recife/2012

SINAIS DE RISCO MÃE/BEBÊ – PREVENÇÃO DA SAÚDE MENTAL

Autor: Maria Genelva Almeida Costa,  28/11/2012

Andre Green, psicanalista  francês, que faleceu em janeiro de 2012, chama atenção para as consequências da falta de investimento afetivo materno. Talya Candi retrata a clínica do vazio, especificamente a ausência materna a qual chamou “Síndrome da mãe morta”.

A mãe morte, não estamos aqui falando da morte concreta, mas da desinvestida devido o afastamento afetivo da figura materna. Essa falta de interesse materno poderá levar a pessoa a apresentar apatia diante do mundo externo e identificar-se com a mãe enlutada, desorganizada. Esse desinvestimento provocará a constituição de um buraco na relação com a figura materna e se repetirá posteriormente na incapacidade do sujeito estabelecer e sustentar relações afetivas satisfatórias. A identificação inconsciente com a mãe, por sua vez, tornará a criança passiva, como se estivesse “sem vida”, em um mundo interno impregnado por um luto interminável, sem manifestação depressiva palpável, o que parece outorgar uma vivência concreta ao negativo, ao vazio, ao nada.

Ao arrancar o afeto da criança, a mãe morta não se deixa esquecer, por tanto não pode ser substituída. A falta de vitalidade materna deixará a criança dependente, à espera do retorno de um objetivo vivido apenas de maneira idealizada. Ela é o vazio que aniquila e boicota, qualquer iniciativa de satisfação. Ela é ausente. Green chama atenção da importância da vitalidade da mãe, da relação mãe-bebê.

Baseados nessas afirmações de Green podem dizer que os profissionais na sua prática devem ao atender uma mãe:

  • Colocar um espaço para as mães falarem de sua própria infância.
  • Representações mentais que a mãe tem sobre o seu bebê
  • Se o bebê não está bem, preparar essa mãe
  • Os alicerces para essa construção estão: Olho no olho, olhar com desejo, tocar e ser tocado – massagear, sorrir – gesto, imitação
  • Seja qual for à especialidade do profissional, esse deve funcionar como a boa avó, mais do que interpretar é compreender essa gestante.
  • Intervir o mais precoce abre e cria possibilidade no rumo á montagem do aparelho, visando assegurará as condições necessárias para que haja saúde mental. Chamamos aqui de saúde mental um processo complexo e permanentemente atualizado. Intrinsecamente ligado ao orgânico, incluindo agravos, risco s e dor.

É através dos atos clínicos que o profissional ajudará a construir a singularidade do caso a caso, que possibilitará a reabertura de caminhos para a estruturação subjetiva.

Lembrar fatores psicossociais:

  •  Maus tratos da mãe quando criança
  • Abandono por um dos pais
  • Desejo materno de engravidar
  • Desejo paterno de ter um filho
  • Tentativa de aborto
  • Tempo de aleitamento exclusivo
  • Depressão pós-parto
  • Doenças depressivas na família
  • Grau de depressão da mãe
  • Interação mãe bebê durante a amamentação
  • Uso de álcool, fumo, ECT
  • Pai presente, cognitivo do bebê melhora.

Lembrar que a criança

  • Fotografa os olhares do cuidador
  • No 8ª mês começa a saber o que é próximo ou não.
  • A memória se desenvolve, surge o apego internalizado.
  • Criança
  • Precisa ser adotada, acolhida, falada, ninada (ninho)
  • Indicadores clínicos – sinais de organizados psíquicos.
  • Observar como está o laço
  • Bebê dirige os olhares em direção à voz da mãe- 1º mês
  • Olha o rosto da mãe -1º mês
  • Fixa o contato olho no olho da mãe até o 2º mês
  • Acomoda-se ao colo -1º mês
  • Sorriso intencional a partir do 3º mês
  • Capacidade de antecipação – joga os bracinho em direção aos cuidadores, antecipando ser tomado no braço.
  • Atende ao próprio nome 6º a 9º mês
  • Aponta coisas com os dedinhos – a partir dos 8º mês
  • Estranha rosto diferente – a partir do 8º mês
  • Criança precisa de toque. O toque gera apego, menor prevalência de depressão no futuro e maior bem estar físico e psicológico, mais competência social.
  • Respeitar as emoções da criança. O modo como o adulto reage as emoções da criança é um fator importante. Ignorar ou minimizar com frequência poderá  provocar ansiedade e depressão no futuro. Reagir com raiva poderá contribuir para problemas de comportamento externalizante.
  • O brincar- a brincadeira favorece a linguagem, a compreensão de regras sociais, a interpretação de papéis etc.
  • Estimular a inspiração nasal.

 

Sinais de risco:

  • Verifica-se através dos organizadores
  • Não são preditivos, são indicativos
  • Alteração do tônus
  • Atraso no desenvolvimento psicomotor e na fala
  • Alteração no ganho de peso
  • Ausência de balbucio
  • Transtorno do sono e alimentação
  • Evitação do rosto e voz da mãe
  • Olha fixo (teto, fonte de iluminação)
  • Não vocalizam com as mães
  • Não se acomodam ao colo
  • Congelamento –  longo lapso de tempo sem mexer nenhum músculo.
  • Privação do sono – Existem evidências que durante o sono o padrão de funcionamento cerebral é alterado e que esse período é essencial para a regulação de hormônios , tendo papel fundamental em funções de aprendizagem, crescimento e regulação do estado de humor. A alteração em padrões de sono pode sinalizar alguns transtornos mentais como por exemplo o transtorno do humor. Mirmiram e colaboradores (1983) salientam que a privação de sono em estágios iniciais de desenvolvimento parece estar relacionado com sérios problemas comportamentais.
  • Falta de limites na infância é um grave fator de risco. O limite tem uma função estrutural na constituição psíquica do sujeito. Costa (2005) saliente que a falta de limites pode gerar alguns sintomas como ansiedade, baixa tolerância a frustração. O excesso também é prejudicial, o desafio é encontrar a medida certa. A excessiva flexibilidade nos limites pode estar associada a diminuição na capacidade de resiliência. Também a imposição sem explicação não ajuda o indivíduo a internalizar os limites.

Por fim o profissional deve manter uma presença afetiva real, reservada, clara, mas presente. E pode ser considerado como uma pano de fundo pulsante que ajuda a manter a vida psíquica.

Páginas:12»

Notícias